Os 3 passos para uma redução estratégica nas despesas da sua empresa

Redução Estratégica de Custos
Uma das perguntas recorrentes em palestras, cursos, trabalhos de consultoria é: Como promover um programa de redução de custos na organização? Se existem passos a se observarem, ao refletir sobre essa questão se pode entender que, em linhas gerais, são estes: conhecer os componentes dos custos e os fatores que possam influenciá-los dentro da estrutura da organização; formular estratégias de redução dos custos consistentes e que estejam alinhadas ao planejamento estratégico; e colocar o plano elaborado em execução, promovendo o seu acompanhamento, e estar atento aos resultados promovendo as devidas correções, quando necessárias.
Primeiro passo:
É importante, ao se ter o conhecimento dos custos, fazer separação entre os grupos de custos em relação ao seu destino: custo de produção, custo administrativo, custo comercial e outros. Com essa segregação, pode-se, dentro do grupo de destino, separá-los em relação ao seu comportamento, ou seja, quais são aqueles que variam (custos variáveis) e os que não sofrem variações (custos fixos), em função da operacionalidade do grupo analisado. A partir dessas informações, vem o mapeamento indicando quais são os fatores que influenciam os custos e se há possibilidades de neutralizá-los ou reduzi-los em seus impactos nas oscilações que provocam.
Segundo passo:
Neste passo, se formularão as estratégias para a redução dos custos. Essas estratégias devem estar alinhadas ao planejamento estratégico da organização. Elas devem levar em consideração os custos que são estratégicos e aqueles que não são estratégicos para a organização. Evidentemente que o programa de redução foca, inicialmente, aqueles custos que não são estratégicos, ou seja, aqueles que, mesmo sendo necessários, possuem um grau de importância menor do que os estratégicos.
Terceiro passo:

Este é o momento da ação, de colocar em prática o plano elaborado buscando atingir os objetivos previamente estabelecidos e, à medida que for necessário, fazer os ajustes, em função de ocorrências que não estavam sinalizadas para recomposição das metas. É imperativo que esses passos estejam pautados na sustentabilidade do negócio.

Sucesso em seus negócios!

Por: João Daniel Quagliato
Professor pela Universidade Adventista de São Paulo e Consultor em Gestão Econômico-Financeira
www.quagliatoconsultoria.com.br/blog
joaodaniel@quagliatoconsultoria.com.br
(19) 99608-0362